O que é Atenção Primária à Saúde?

O que é Atenção Primária à Saúde?

Saber o que é Atenção Primária à Saúde (APS) é essencial tanto para profissionais da área da saúde quanto para a população no geral. 

Isso porque é através dela que o cidadão possui o atendimento inicial no sistema de saúde brasileiro. 

Vou te explicar.

A Atenção Primária à Saúde ou Atenção Básica é a porta de entrada para o sistema saúde. É nela que ocorre as orientações para prevenir doenças, visa solucionar os casos menos graves e direciona os mais graves para os níveis de atendimento superiores. 

É como se fosse um filtro que organiza os serviços nas redes de saúde: realizando os atendimentos simples e direcionando os mais graves para cada setor responsável. 

Por exemplo, o programa governamental Estratégia de Saúde da Família (ESF) disponibiliza exames, consultas, vacinas, radiografias e outros procedimentos por meio das Unidades Básicas de Saúde.

Ou seja, somente os casos mais graves são redirecionados para o atendimento no hospital. 

Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), a atenção primária pode atender de 80 a 90% das necessidades de saúde de um indivíduo ao longo de sua vida. Isso inclui os serviços que vão desde a promoção da saúde e prevenção até o controle de doenças crônicas e cuidados paliativos.

Qual o objetivo da Atenção Primária em Saúde?

O objetivo da APS, como te disse anteriormente, é organizar o fluxo de atendimento e serviços das redes de saúde brasileira. 

Sendo assim, as suas principais ações estão relacionadas a orientar sobre a prevenção de doenças, promover a saúde, solucionar os possíveis agravos e direcionais os casos mais graves. 

4 atributos da Atenção Primária à Saúde

De a acordo com a professora e  médica norte-americana Barbara Starfield, a atenção primária possui 4 atributos básicos:

1. Atenção ao primeiro contato

Como ele é a porta de entrada para a saúde brasileira, o que se espera da APS é que seja um serviço acessível a toda população. 

Por isso, é essencial que o primeiro atendimento seja com uma boa localização geográfica e em horários de funcionamentos compatíveis com a realidade daquela comunidade local. 

2. Continuidade do atendimento

O atendimento na APS não é único. Deve haver uma continuidade do serviço de forma regular e frequente ao longo do tempo. 

Isso quer dizer que o cidadão deve manter um vínculo com o serviço para que o resultado possa ser mais eficiente, caso ocorra uma nova necessidade de atendimento. 

Para que isso aconteça, a unidade de APS deve identificar todos os indivíduos da população que devem receber seu atendimento no local.

É essencial manter o cadastro dos usuários da unidade de saúde sempre ativos e educar a população para que a utilizem periodicamente para consultas. Somente quando for um exame específico ou uma consulta com um especialista que o caso deve ser redirecionado.

3. Integralidade do serviço

Esse atributo significa que as unidades de atenção primária devem ser capazes de oferecer todos os serviços necessários para lidar com sintomas, sinais e diagnósticos de doenças. 

Isso inclui o encaminhamento para consultas com médicos especialistas e serviços de suporte como, por exemplo, a internação domiciliar.

Ou seja, mesmo que o paciente seja encaminhado a outras unidades, o serviço de atenção primária continua com parte da responsabilidade pelo seu atendimento.

Além disso, a integralidade do serviço inclui também a possibilidade de visitas domiciliares, reuniões com a comunidade e ações intersetoriais.

4. Coordenação do cuidado

Esse último atributo está relacionado ao anterior. Pois quando parte do atendimento é remanejado para outros níveis de atenção cabe a equipe de atenção primária organizar, coordenar e integrar os cuidados com o paciente. 

Ou seja, deve haver uma continuidade no contato entre os profissionais de níveis diferentes, mesmo que seja por meio de prontuários.

Equipe mínima para trabalhar com APS

Equipe mínima para trabalhar com APS

De acordo com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a equipe de profissionais para atuar na atenção primária deve ter caráter multiprofissional e interdisciplinar.

A composição mínima para trabalhar com APS envolve:

  • Um médico de família e comunidade ou especialista em clínica médica com capacitação e experiência em APS;
  •  Um enfermeiro especialista em saúde da família ou generalista; e 
  • Outro profissional de saúde de nível superior.

Além disso, de acordo com os procedimentos oferecidos a unidade de atenção primária deve contar na sua equipe profissionais de acordo com as suas especificidades. Como, por exemplo, fisioterapeutas, psicólogos, nutricionistas, fonoaudiólogos, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, cirurgião dentista, etc.

Atenção Primária à Saúde e o Plano de Saúde

Segundo um estudo realizado pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), o plano de saúde atende em 86,6% os atributos da Atenção Primária à Saúde.

Isso significa que os atributos necessários para a prestação do serviço são amplamente identificados nas operadoras de plano de saúde

Esse é um grande avanço para o setor e representa um progresso na quebra de paradigma do atual sistema privado de saúde. Ou seja, essa pesquisa é uma das provas de que as operadoras de plano de saúde estão avançando na qualidade dos atendimentos iniciais prestados aos pacientes.

Conclusão

No artigo de hoje te expliquei o que é Atenção Primária à Saúde. Te mostrei quais os objetivos dela e quais são os 4 atributos.

Além disso, te expliquei também qual é a equipe mínima para um atendimento de qualidade na APS e como está ela está acontecendo nos planos de saúde. 

Se você tiver qualquer outra dúvida sobre esse assunto, deixe um comentário. A nossa equipe fará o possível para te responder!

 

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *