Qual a diferença entre auxílio funeral e assistência funeral

Qual a diferença entre auxílio funeral e assistência funeral?

Se você quer saber qual a diferença entre auxílio funeral e assistência funeral, você precisa ler esse artigo.  

Sei que algumas pessoas podem pensar que esse assunto é uma forma de atrair coisas ruins, mas a verdade é esses são serviços básicos para família. 

Nos Estados Unidos, por exemplo,  57% da população tem seguro de vida com cobertura funeral.

Aqui no Brasil essa consciência aumenta cerca de 10% a cada ano. 

Isso quer dizer que os brasileiros estão cada vez mais conscientes sobre a importância de se preparar para situações de imprevistos que possam levar ao óbito. 

Sendo assim, aqui vou te mostrar todos os pontos essenciais para você entender cada um desses termos. 

E acredito que depois da leitura desse artigo você poderá fazer uma escolha mais consciente entre os dois serviços. 

Vou começar primeiro te explicando…

O que é o auxílio funeral?

O auxílio funeral é a cobertura que reembolsa os gastos com o funeral. Normalmente, há duas modalidades: a individual e a familiar. 

A individual, como o próprio nome diz, é aquela que cobre o funeral de apenas uma pessoa (geralmente, do contratante). Já  a familiar é quando o plano pode ser estendido para o cônjuge e filhos de até 18 anos (ou até 24 anos, dependendo da prestadora de serviços).

É importante frisar que os contemplados por essa cobertura devem estar determinados na apólice, pois, no momento do óbito, não é possível adicionar nem remover ninguém.

No auxílio funeral a escolha da empresa que irá prestar os serviços funerários é de livre escolha do contratante ou do responsável. Ou seja, você precisa contratar diretamente a funerária.

Somente depois, e com os comprovantes em mãos, que a empresa de auxílio funeral irá reembolsar as despesas.  

Isso quer dizer que você precisa ter o dinheiro em mãos para pagar as despesas com o funeral no momento do óbito, pois somente depois da apresentação das notas a empresa do auxílio funeral irá entregar o valor da indenização. 

Esse pagamento depende das condições contratuais e deverá ser realizado aos beneficiários ou para quem assumiu os gastos. No entanto, é importante destacar que a apólice sempre aponta qual o valor máximo de indenização que poderá ser pago. 

Por isso, antes mesmo de contratar o serviço a dica é olhar a apólice e descobrir quanto pode gastar com o funeral. Assim não corre o risco de não ser reembolsado todo o valor que gastou. 

Para saber a diferença entre auxílio funeral e assistência funeral, você precisa entender…

O que é Assistência Funeral?

O que é Assistência Funeral

Agora que você sabe o que é o auxílio funeral, você precisa entender o que é assistência funeral. 

Dessa forma, é mais fácil compreender a diferença entre os dois termos. Então vamos lá…

A assistência funeral é uma cobertura que faz parte do seguro de vida. Ela também pode ser individual ou familiar, ou seja, a assistência pode ser estendida para os dependentes.  

Ao contrário do auxílio funeral, não há um reembolso das despesas com o funeral nem há livre escolha a prestadora de serviços. 

Isso quer dizer que na assistência funeral o valor gasto está embutido no seguro de vida e a funerária será indicada pela própria seguradora. 

Pode parecer uma desvantagem, mas, na verdade, tudo isso garante menos burocracia e mais facilidade para a família em um momento tão delicado. 

Isso porque a seguradora, além de indicar uma prestadora do serviço de funeral, vai também cuidar de todos os detalhes do processo até a conclusão, supervisionar todo o trâmite e garantir que tudo esteja de acordo com o contrato estabelecido.  

Coberturas da assistência funeral

Sendo assim, a assistência funeral, geralmente, possui cobertura para:

  • Assessoria para formalidades administrativas do sepultamento (como, por exemplo, a liberação do corpo);
  • Pagamento das despesas com a cerimônia e o sepultamento;
  • Pagamento das taxas para a emissão de documentos necessários; 
  • Disponibiliza urna/caixão, coroa de flores, paramentos, véu, velas, ornamentação de urna, mesa de condolências;
  • Transmissão de mensagens urgentes;
  • Translado do corpo (caso o falecimento ocorra fora da cidade de origem);
  • Sepultamento ou cremação;
  • Velório;
  • Registro do óbito;
  • Carro funerário.
  • Entre outros.

Como dá para notar os gastos quando uma pessoa vem a óbito podem ser enormes, uma cremação, por exemplo, por chegar a R$ 2 mil e os caixões variam de R$ 700 a R$ 20 mil. 

Sem contar o transtorno físico e psicológico que é resolver todos esses processos em menos de dois dias. 

Algumas famílias acabam se endividando e não sabendo lidar com a perda justamente por causa de todo o transtorno criado por essa situação. 

Recentemente depois de muitos anos eu perdi uma pessoa da minha família, havia muito tempo que isso não acontecia e pegou todo mundo despreparado. 

Ninguém sabia exatamente o que precisava ser feito e acabou que a liberação do corpo do meu tio demorou a sair e foi muito difícil manter minha vó e minhas tias calmas nessa situação. 

Por fim, conseguimos resolver tudo. Mas a dívida adquirida teve que ser dividida entre todas as pessoas com emprego fixo da família. 

Acredito que se a gente tivesse se preparado antes, muita dor e constrangimento poderia ser evitado. 

Conclusão

No artigo de hoje te mostrei qual a diferença entre auxílio funeral e assistência funeral. 

Você viu como cada um deles funciona e acredito que com a leitura desse artigo você vai conseguir decidir sobre qual dos serviços é melhor para você e se encaixa perfeitamente a situação atual da sua família. 

Se você tiver alguma dúvida sobre esse assunto, entre em contato com a gente pelos comentários. A nossa equipe fará o possível pra te responder. 

Qual o valor do seguro de vida Saiba como é calculado o preço

Qual o valor do seguro de vida? Saiba como é calculado o preço

Se você quer saber o valor do seguro de vida é importante você entender como isso é calculado. 

Talvez você pense que é um preço absurdamente caro e que não faz parte da sua realidade. 

Ou que esse não é um benefício essencial para a sua segurança, ou da sua família.

Só que vou te mostrar que há opções de seguro de vida que cabem no seu bolso e possuem as mesmas vantagens dos mais caros. 

Mas antes, você sabe…

Para que serve um seguro de vida

De maneira bem simples, o seguro de vida serve para evitar que você e seus dependentes sejam pegos de surpresa quando ocorrer um imprevisto. Além de ajudar a restabelecer a sua família financeiramente, caso você venha falecer. 

Isso porque o seguro de vida não serve apenas para caso de morte, mas também para quando acontecer um incidente que causa invalidez ou quando há a notícia de um diagnóstico de doença grave. 

Quanto custa o seguro de vida?

Para saber quanto custa um seguro de vida, você precisa avaliar o custo-benefício dessa solução.

Pois uma das vantagens de contratar um seguro de vida é que você pode ser isento de alguns tributos como Imposto de Renda e Imposto sobre Transmissão Causa Mortis (ITCMD).

Além disso, para saber quanto custa o seguro de vida você precisa entender que o que você vai pagar por mês vai depender da sua idade, profissão, sexo e outras informações que a seguradora acredite ser necessário para avaliar. 

No meu caso, por exemplo, o custo mensal (prêmio) pode variar de R$ 12 até R$ 60, dependendo da seguradora. 

Por esse preço a indenização pode ser de R$ 10 mil a R$ 300 mil, dependendo do contrato. 

Uma simulação realizada pela Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste) com o perfil de um homem, casado, não fumante/não obeso, administrador de empresas, 35 anos, 70kg e 1,70m verificou que o custo de seguro de vida fica por R$ 140/mês para esse perfil. 

Isso recebendo uma indenização de R$ 50 mil. Já supondo com uma cobertura adicional de R$ 100 mil, o valor fica R$ 255/mês.

Ou seja, para saber o custo do seguro de vida você precisa entender qual cobertura vai precisa e qual o seu perfil.

A minha dica é você contratar um seguro de vida não pelo prêmio que você vai pagar, mas sim pelo valor da indenização. 

Vou te explicar. 

Quanto deve ser o valor da indenização do seguro de vida?

Quanto deve ser o valor da indenização do seguro de vida

Para saber quanto os seus dependentes vão precisar caso aconteça alguma coisa com você, você precisa avaliar a renda e as despesas da família.

Ou seja, você precisa anotar o quanto você gasta por mês com escola, carro, contas, plano de saúde, dívidas, financiamentos, gasto médio com alimentação, lazer…

Depois é só fazer uma conta, que daqui a pouco vou te ensinar. Mas primeiro vamos para uma situação hipotética que vai te ajudar a visualizar. 

Imagine uma família formada por um casal e um filho, sendo que o pai será o contratante do seguro. 

O pai possui um salário de R$ 4 mil e a mãe de R$ 3 mil, já o filho mesmo estando na faculdade ainda não possui renda. Sendo assim, a renda total da família é R$ 7 mil.

Depois de colocar no papel todos os gastos e despesas, o pai descobriu que a família gasta R$ 5 mil por mês, já contando com a faculdade do filho. 

Para descobrir quanto deverá ser o valor da indenização, basta pegar a despesa mensal e multiplicar por 36 meses. Esse será o valor para deixar a sua família segura nos próximos três anos. 

Sendo assim, voltando ao nosso exemplo, o pai deverá procurar um seguro em que a indenização seja de, no mínimo, R$ 180 mil. 

Pode parecer que o prêmio será alto, mas há seguradores com essa indenização que o valor mensal é R$ 60. Por isso, é importante falar direto com o corretor de seguros.

Como é calculado o preço de um seguro de vida?

Os preços variam de seguradora para seguradora, mas, como te disse anteriormente, o que é levado em consideração é o perfil do contratante. 

Isso porque a seguradora avalia cuidadosamente quais os riscos de sinistro (falecimento ou invalidez) de cada segurado.

Por exemplo, uma mulher de 40 anos que faz atividades físicas vai ter um valor mais baixo do que uma mulher de 40 anos que é sedentária. 

Além disso, o preço do seguro de vida também varia de acordo com a cobertura que vai ser contratada (Assistência Funeral, Doenças Graves e Invalidez Permanente Total ou Parcial por Acidente, entre outros).

Sendo assim, para fazer o cálculo do preço do seguro de vida a operadora repassa para os clientes um formulário com todas as perguntas relevantes para determinar esse valor. 

A maioria possui perguntas como:

  • Se o contratante é casado, tem filhos;
  • Se possui bens, como casa, carro e investimentos;
  • Qual a idade do segurado e dos seus dependentes;
  • Qual o histórico médico;
  • Profissão do segurado e o que ele faz como lazer;
  • Entre outros.

Conclusão

No artigo de hoje te explique qual é o valor do seguro de vida. Além disso, te mostrei para que serve o seguro de vida, quanto deve ser o valor da indenização e como é calculado o preço do seguro de vida. 

Se você tem alguma dúvida que não foi respondida neste artigo, deixe nos comentários que a nossa equipe fará o possível para te responder.

 

Passo a Passo: como acionar o seguro de vida

Passo a Passo: como acionar o seguro de vida

Quer saber como acionar o seguro de vida? Leia este artigo que vou te mostrar um passo a passo para você não ter que se preocupar quando precisar receber a sua indenização.

É extremamente importante você entender isso, mesmo você sendo o segurado ou o beneficiário. 

Afinal de contas, essa informação vai te dar a tranquilidade que você busca quando contrata um seguro de vida. 

Mas antes de te  mostrar esse passo a passo, você sabe… 

Quais as vantagens do seguro vida?

Eu não sei você sabe quais são as vantagens de contratar um seguro de vida, mas quero deixar claro o que você está ganhando quando tem esse tipo de investimento. 

Chamo de investimento porque você terá um retorno com o que você aplica. Seja monetariamente ou com serviços. 

Isso porque hoje em dia o seguro de vida não é mais apenas uma indenização, mas sim uma proteção para o segurado e sua família. 

Afinal de contas, existe no mercado apólices para caso de invalidez, cobertura de despesas hospitalares, auxílio funerário e, até mesmo, o resgate do valor aplicado. 

Sendo assim, as vantagens do seguro de vida se resume a proteger e auxiliar você e seus dependentes em situações imprevisíveis

Agora que você já sabe por que deve fazer esse investimento, vou te mostrar o passo a passo de como acionar o seguro de vida. 

 

1.º Passo: recorde o que tem na sua apólice

É extremamente importante que você e seus dependentes saibam o que tem descrito na apólice (contrato do seguro). 

É nela que você vai encontrar as informações sobre a cobertura de seguro, a vigência, os valores e quem são os beneficiários. 

Se por acaso não constar na apólice de seguro de vida os nomes dos beneficiários, fique tranquilo. 

Segundo o Código Civil Brasileiro, a divisão do valor deve ficar 50% para o cônjuge e 50% para os herdeiros legais. 

Mas isso apenas se não tiver os nomes dos beneficiários. Lembre-se que uma das vantagens do seguro é que você pode adicionar quem você quiser

Ou seja, além dos herdeiros legais e os cônjuges, os beneficiários também podem ser amigos, parentes e, até mesmo, instituições. 

2.º passo: verifique qual é a cobertura do seguro

Não é porque alguém tem um seguro de vida que pode acontecer qualquer coisa que ele vai ser indenizado. 

É importante verificar quais foram as coberturas contratadas para saber se tem o direito de acionar o seguro de vida ou não. 

Geralmente, as coberturas são:

  • Morte Natural;
  • Morte por Acidente;
  • Invalidez Permanente Total/Parcial por Acidente (IPA);
  • Invalidez Funcional/Laborativa Permanente Total Decorrente de Doença (IFPD);
  • Despesas Médicas, Hospitalares e Odontológicas (DMHO);
  • Diárias de Incapacidade Temporária (DIT);
  • Diárias por Internação Hospitalar (DIH);
  • Doenças Graves (DG).

Além disso, alguns seguros de vida cobrem também as internações, velório e outras despesas relacionadas ao óbito ou doença.

3.º passo: separe a documentação

3.º passo separe a documentação

Depois de verificar corretamente a apólice de seguro e a cobertura do plano contrato, para acionar o seguro de vida você precisa entregar alguns documentos. 

Normalmente, a seguradora envia um formulário e solicita uma lista com a documentação que você precisa apresentar. 

Sendo assim, antes de comunicar a seguradora tenha em mãos esses documentos para facilitar o processo. 

Geralmente, a documentação requerida é:

  • Certidão de Óbito (se for o caso);
  • Certidão de casamento ou nascimento com data atualizada (expedida após o óbito);
  • Beneficiário Menor de idade: cópia simples de Certidão de nascimento;
  • Entre 16 e 18 anos: cópia simples do CPF;
  • Maior de idade: RG, CPF e comprovante de residência;

Além disso, dependendo da cobertura do seguro de vida outros documentos específicos são exigidos. Em caso de invalidez por acidente, por exemplo, é solicitado o atestado e exames médicos que comprovem as sequelas deixadas pelo acidente, carteira de motorista (se o acidente foi de carro), boletim de ocorrência policial (se tiver), entre outros. 

4.º passo: comunique a seguradora do sinistro

Posteriormente, para acionar o seguro de vida, o beneficiário deve informar a segurado sobre o sinistro

Ou seja, comunicar o ocorrido que o levou a solicitar a indenização do seguro.

Essa comunicação tem o prazo de 3 anos, contados a partir do sinistro. Isso quer dizer que esse é o limite máximo para o beneficiário entrar em contato com a seguradora. 

Por isso, é importante você avisar os seus dependentes sobre o seguro de vida. Caso venha acontecer alguma coisa com você, eles não correm o risco de perder a indenização.

Nos casos do próprio segurado precisar acionar o seguro de vida (como no caso de acidente, por exemplo), esse prazo de prescrição é de 1 ano. O início desta contagem depende da modalidade de cada seguro. 

Além disso, você também deve ficar atento aos prazos das coberturas para invalidez ou doenças graves. 

Geralmente, nesses casos, o prazo para acionar o seguro começa a contar a partir da data de formalização pela Previdência Social ou do diagnóstico. 

Quanto tempo leva para a seguradora pagar a indenização?

Após a entrega da documentação completa de acordo com a Superintendência de Seguros Privados (Susep), a seguradora tem o prazo de 30 dias para realizar o pagamento da indenização.

No entanto, o prazo pode ser suspenso ou prorrogado caso a seguradora compreenda que necessita de mais documentos, ou esclarecimentos adicionais.

Além disso, se ela passar do prazo de 30 dias para realizar o pagamento, o valor da indenização será atualizado de acordo com os índices de correção monetária.

A indenização do seguro de vida pode ser negada pela seguradora?

É totalmente possível a seguradora negar a indenização ao beneficiário. No entanto, ela precisa comprovar que houve alguma violação das condições gerais da apólice do seguro ou que o beneficiário está agindo de má-fé. 

Geralmente, isso acontece quando o sinistro não está dentro da cobertura do seguro, ainda está no prazo de carência, caso de doença pré-existente, atraso das parcelas e ausência de legitimidade.

Caso aconteça uma negativa, a minha sugestão é você procurar um profissional qualificado para fazer a análise do caso. 

Pois em algumas situações é possível entrar na Justiça para conseguir receber a indenização.

Mas fique atento: o beneficiário tem até 1 ano para contestar essa decisão na Justiça e requerer o valor determinado.

Conclusão

Neste artigo eu te mostrei como acionar o seguro de vida. Você viu em 4 passos como é fácil você conseguir receber a indenização. 

Além disso, te expliquei também quanto tempo leva para a seguradora pagar e o que você precisa fazer caso a indenização seja negada. 

Se você tiver qualquer outra dúvida sobre o assunto, deixe um comentário que a nossa equipe fará o possível para te responder.

 

financas-pessoais

Finanças Pessoais: por que você deve cuidar das suas

financas-pessoais

Vivemos em um mundo muito consumista. Ainda mais com a renovação de recursos tecnológicos, fica difícil não pensar sempre no que devemos consumir e como consumir mais rápido.

Por esse motivo, muitas pessoas ainda agem por impulso, não pensando então nas consequências de se gastar de forma desenfreada e acabam por sofrer emocionalmente, e claro, financeiramente.

Por isso, é muito importante entender o conceito de finanças e como gastar de forma responsável.

Além de ter uma relação saudável com o dinheiro, ou seja, dar um propósito ao seu consumo.

Logo abaixo, vamos te explicar a importância de cuidar de seu dinheiro para assim poder viver uma vida melhor.

Finanças pessoais no dia-a-dia

Manter sua casa, comprar comida, transporte… Esses são alguns gastos ao longo da vida. Ou seja, tudo que você tem e faz tem um preço.

Há coisas que precisamos de fato comprar para podermos viver e sobreviver, enquanto há outras que compramos por pura emoção.

Deve-se ter um cuidado com nosso dinheiro, afinal, trabalhamos muito para ganhá-lo, certo?

Por isso, ao tratar de finanças, devemos ter conhecimento do quanto ganhamos e como conciliar os gastos de nosso lazer com nossas obrigações.

Ao estar alerta disso, você pode seguir no caminho de um consumo mais responsável.

Continue a leitura e veja como algumas atitudes podem mudar sua relação com o dinheiro.

Consumo consciente

Quando se fala de consumo consciente, podemos olhar de das formas. Uma da maneira sustentável e outra sob perspectiva econômica.

E como o assunto é finanças pessoais, o consumo consciente trata-se de refletir sobre suas ações antes ou até no momento da compra.

Ou seja, é se perguntar: “eu preciso disso?” ou “eu quero isso?”

Realizando algumas perguntas e pensando mais antes de agir, mudará sua forma de gastar para melhor.

Com o pensamento e atitude certos, você consegue ter mais clareza e estará pronto para tomar melhores decisões.

Como planejar suas finanças pessoais

Organização é a palavra-chave se você pretende administrar bem suas finanças.

O primeiro passo a ser dado em direção à organização é o planejamento. Você precisa definir bem onde seu dinheiro está indo e avaliar se está sendo utilizado da melhor maneira.

Em seguida, estão algumas dicas de como planejar suas finanças pessoais.

Defina objetivos

É importante definir o que você quer para sua vida. Se você planeja se mudar, ou se pensa em comprar um carro…

Seja como for, é preciso estabelecer objetivos, que podem ser de curto, médio ou longo prazo.

Assim que definidos, é necessário criar metas que lhe ajudarão a atingir esses objetivos. Lembrando que, as metas e objetivos devem ser realistas e de acordo com a sua realidade.

Por exemplo, se sua renda mensal não for tão alta, não se pode querer comprar uma casa em um curto período de tempo, certo?

Faça um orçamento

Com seus objetivos traçados, fica mais fácil de realizar um orçamento mensal, por exemplo.

Nele, você calculará o quanto e com o que está gastando, podendo assim fazer escolhas das compras mais necessárias.

Gaste menos do que ganha

Se você quer sair por cima, você tem que colocar uma coisa em mente: economizar dinheiro.

Não adianta realizar o passo a passo acima e gastar em excesso. Se você pretende ter o suficiente para viver bem e poder contar com algo extra em alguma emergência, não gaste muito!

Importância de um planejamento financeiro

É preciso ser organizado e cuidadoso com seus gastos. Pode parecer uma tarefa difícil, mas com disciplina, fica muito mais fácil.

A falta de organização e de manutenção do orçamento das suas receitas e dos seus gastos leva a uma situação de descontrole nas finanças pessoais.

Por isso, é preciso saber administrar corretamente seu dinheiro. Com certeza, há muitas vantagens.

Por exemplo, uma sensação de segurança e bem-estar, assim como um grau de satisfação maior pela vida.

Como visto acima, o planejamento é o primeiro passo para cuidar bem de seu patrimônio.

Realizar um planejamento financeiro traz conhecimento acerca de nossa vida, nos faz refletir sobre nossos objetivos, e nos faz pensar em deixar algo para o futuro.

Conclusão

É importante planejar nossos gastos para que se possa ter a vida que foi planejada, sem necessidade de estresses ou inconveniências frequentes.

Com uma organização estabelecida em seus gastos, você saberá com que o que está gastando e no que pode futuramente gastar.

Assim, ao decidir por exemplo, em sair para um restaurante, ou até mesmo viajar, você se sentirá seguro, pois sabe que seu dinheiro está sendo bem controlado e então você poderá usufruir desses pequenos prazeres da vida de forma segura e tranquila.

Se gostou desse conteúdo, confira aqui mais dicas de como manter seu controle financeiro.

melhor-seguro-de-vida

Qual é o melhor Seguro de Vida para contratar?

São vários os benefícios de se contratar um seguro de vida. O principal sendo assegurar o melhor para você e sua família, tanto na vida quanto na morte.

 

Mesmo sabendo que se trata de algo vantajoso, pode haver dúvidas no quesito de contratação.

 

Por exemplo, qual cobertura devo escolher? O que é melhor para minha atual situação?

 

Para isso separamos algumas dicas de garantir o serviço de mais alta qualidade e que ainda não te deixe no prejuízo.

Como escolher o Seguro de Vida melhor para você?

,melhor-seguro-de-vida

Antes de mais nada, é necessário identificar quais são suas reais necessidades, de forma individual, e se houver, de forma coletiva.

Logo após, é recomendado realizar uma pesquisa sobre o mercado de seguros, e entender o que melhor se encaixa em seu perfil.

Assim sendo, separamos algumas dicas que podem te ajudar no momento de escolha.

 

Algumas regras básicas para escolher melhor

  • Avaliar seus hábitos do dia a dia, tal como se você é fumante ou se pratica ou não exercício físico

  • Se informar das seguradoras disponíveis, assim como:

  • Credibilidade

  • Anos de atuação no mercado

  • Nível de satisfação da clientela

  • Avaliar as coberturas disponibilizadas pelas seguradoras

  • Analisar questão de custo-benefício

  • Pensar se e quem serão os beneficiários do plano, assim como suas idades

  • Saber a assistência disponibilizada do plano

Aqui na Referência Seguros, trabalhamos com as seguradoras mais especializadas do país. Confira as melhores logo abaixo e aprenda um pouco mais.

Principais seguradoras

Icatu

A maior seguradora independente do Brasil em Vida, Previdência e Capitalização. Promove ações de responsabilidade social, nas áreas de saúde, educação, esporte e cultura.

 

Idade limite de contratação: 65 anos

Bradesco

Possui uma série de produtos capazes de proteger você e sua família em várias circunstâncias e em diversos segmentos, como Seguro Auto, Plano de Saúde, Dental, Capitalização, Seguros de Vida, Planos de Previdência Privada e Ramos Elementares (onde se inclui Seguro Residencial e todo o patrimônio que acumulamos tanto quanto pessoa física como jurídica, quando nos tornamos empreendedores).

 

Idade limite de contratação: 84 anos

Metlife

É a 3ª seguradora mais conceituada do país. Opera em quase 50 países, com mais de 48 mil funcionários, atendendo aproximadamente 100 milhões de clientes. Presente no Brasil desde 1999 e aqui se estabeleceu como referência em seguros de vida, previdência privada e planos odontológicos.

 

Idade limite de contratação: 70 anos

Prudential

A seguradora mais conceituada do país, porém, devido a isso, também a mais cara. Possui parceria com a Bradesco Seguros.

 

Idade limite de contratação: 70 anos

Mongeral Aegon

A MAG Seguros é uma empresa do Grupo Mongeral Aegon com quase 200 anos de atuação no Brasil com o melhor módulo de doenças graves, com valor justo.

 

Idade limite de contratação: 80 anos

Porto Seguro

É reconhecida como uma das maiores seguradoras do País, por sua atuação nos segmentos de Seguro Auto e Residência.

É mais barata, porém com mais pendências na contratação.

Idade limite de contratação: 70 anos

 

Como fazer um Seguro de Vida

Contratar um Seguro de vida é algo que requer atenção e consideração de diferentes tópicos.

Por exemplo, deve-se analisar os serviços de assistência que as empresas disponibilizam para acontecimentos de sinistros, como no caso de morte, seja natural ou acidental e casos de invalidez ou doenças.

Bem como avaliar a carência da apólice, os riscos excluídos, o valor do prêmio e abrangência geográfica das coberturas.

Com a finalidade para que se faça tudo da melhor forma, é recomendado consultar um corretor de seguros especializado, para que suas dúvidas sejam sanadas e seu bem estar esteja garantido.

seguro-de-vida-vantagens

Vantagens seguro de vida: confira as principais

seguro-de-vida-vantagens

É de senso comum as pessoas acharem que o seguro de vida serve como garantia apenas para a morte, mas não é bem assim.

Esse serviço pode colaborar também em vida, seja para você individualmente, ou para seus dependentes, se houver.

Como visto no conteúdo anterior, há vários tipo de seguro e cada um com os melhores benefícios de acordo com seu estilo de vida.

Falando em vantagens em vida, uma delas é ter o conhecimento de planejamento financeiro, já que você não vai estar pensando só no agora, mas assim como no futuro.

Logo, não há motivo para questionar se ainda é necessário contratar um seguro de vida. 

Abaixo estão as principais vantagens do seguro de vida para não adiar essa importante decisão.

 

Proteção financeira

Como dito acima, a proteção de seus bens maiores podem ser resguardados para você ou então passados adiante para quem você ama. Especialmente nesse caso.

Imagine algo grave como uma doença ou acidente te deixe em caso de invalidez permanente ou imparcial, impossibilitado de trabalhar?

Ou em casos mais graves, você morra e sua família tem que arcar com todos os custos durante a vida, sem auxílio algum, e ainda ter que tomar conta dos custos funerários?

Com o seguro de vida, essas preocupações são deixadas de lado para que você viva com seu capital segurado, e então, menos preocupações.

Cobertura de doenças graves

Se uma condição ou doença pré-existente, tais como diabetes, pressão alta, câncer, entre outras, estiverem na condição do contrato, muitas apólices da seguradora garante o pagamento de procedimentos e medicações específicas para cada caso.

Algo muito vantajoso, já que uma medicação pode ter altos custos se bancada isoladamente e sendo muito difícil de ser encontrada no SUS. 

Logo, um seguro de vida é algo importante a se cogitar.

Despesas Funerárias

No caso de morte, as pessoas próximas têm direito a um Seguro Auxílio Funeral, o SAF. Esse refere-se aos gastos ligados diretamente a assistência funeral, como o custeamento do caixão, sepultura ou até mesmo cremação.

Todos os custos são então reembolsados para os beneficiários pela seguradora.

 

Possibilidade de resgate

Na modalidade de Seguro de Vida Resgatável, o segurado tem a opção de após 24 meses de pagamento, ser reembolsado do valor pago nesse período.

Essa modalidade funciona como uma reserva financeira, que pode ser resgatada mesmo sem acontecimento de um sinistro.

E ainda não há aumento de mensalidade conforme a idade vai progredindo.

 

Imposto de Renda em fonte

Nas modalidades como Renda por Invalidez e Pensão por morte, a pensão é mensal para o contratante ou para os beneficiários.

Sem contar ainda, que o imposto de renda é dedutível em 12%.

 

Inclusão e retirada de beneficiários

No seguro de vida, você tem liberdade de incluir e até excluir quem desejar de seu plano. Várias pessoa podem entrar, como cônjuges, filhos, netos, e até mesmo pessoas sem vínculo familiar direto, como primos, sobrinhos.

Podem também usufruir essas regalias indivíduos sem vínculo biológico, como “família de consideração” e amigos.

Tranquilidade para o segurado

Além dos benefícios citados acima, um dos mais importantes é saber que o segurado está investindo seu patrimônio de forma positiva e útil.

Ele poderá estar protegido de imprevistos do dia a dia e assegurado dos seus direitos. Tudo isso contribuindo para o custo- benefício final.

 

Agora tendo em vista algumas das vantagens do seguro de vida, não hesite em contratar o melhor serviço para assegurar sua vida e de quem você mais ama.

 

O que é seguro de vida 8 coisas que você precisa saber

O que é seguro de vida? 9 coisas que você precisa saber

Se tem uma coisa que é certa na vida, é que todos iremos morrer. De fato, pode parecer um pouco mórbido, mas é a verdade. 

Aliás, muitas pessoas ainda associam contratar um seguro de vida apenas para casos fatais, essa não sendo a única modalidade para que servem. Ele também é uma forma de estar garantido tanto na morte como em vida.

Em resumo, o seguro de vida é um contrato feito entre quem contrata o serviço e uma seguradora, através de um pagamento mensal chamado de prêmio.

De tal forma que, serve para garantir uma segurança financeira para você e seus dependentes, em momentos inesperados, como casos de acidentes, invalidez e morte.

Ele ainda pode ser combinado com auxílios complementares como cobertura de despesas educacionais, quitação de dívidas, seguro de viagem e seguro-habitacional, que vão além da indenização à família.

Por fim, é regulamentado pela SUSEP (Superintendência de Seguros Privados), órgão responsável por controlar e fiscalizar mercados de seguro, previdência privada aberta, capitalização e resseguro.

O que é seguro de vida?

Seguro de vida é um contrato de proteção entre você e uma seguradora. Ele serve para ajudar e proteger financeiramente as pessoas que dependem de você, caso morra ou fique inválido.

Alguns seguros de vida, cobre também internação hospitalar, doenças graves e despesas com o funeral.

Funciona assim: quando acontece o óbito, a companhia de seguros de vida que você contratou paga ao seu beneficiário uma quantia em dinheiro. Esse valor é determinado de acordo com a cobertura que você escolheu.

Ou seja, de maneira simples, seguro de vida é você deixar um dinheiro pronto para quem você ama.

Preciso de um seguro de vida?

Talvez você não saiba ainda, mas você precisa de um seguro de vida sim! Vou te mostrar, responda as perguntas a abaixo com SIM ou NÃO:

  • Você é casado (a)?
  • Tem filhos?
  • Recebe o principal ganha-pão da sua família?
  • Você é solteiro (a) e tem filhos?
  • Tem uma casa?
  • Possui um negócio próprio?
  • Você tem alguma dívida alta?
  • Os seus pais dependem financeiramente de você?
  • Você já é aposentado?

Se você respondeu SIM, para alguma dessas perguntas é porque você precisa de um seguro de vida.

Ele vai te dar garantia e segurança caso aconteça alguma coisa com você.

Qual o limite de idade para contratar um seguro de vida?

Qual o limite de idade para contratar um seguro de vida

Geralmente, as seguradoras impõem restrições para pessoas com mais de 65 ou 60 anos.

Por outro lado, já existem aquelas focadas na terceira idade, ou seja, com aceitação de segurados com até 80 anos.

Além disso, o seguro de vida só pode ser comercializado a partir dos 14 anos. Para pessoas abaixo da idade, só é permitido o reembolso de despesas com funeral e gastos médico-hospitalares e odontológicos decorrentes de acidentes.

O que é sinistro?

Quando o seguro de vida é contratado, a apólice emitida detalha as coberturas que fazem parte do plano.

O sinistro é a concretização de um risco coberto pela seguradora.  Ou seja, um seguro de vida tem como possíveis sinistros: a morte, acidente com invalidez, ou doença.

Como resultado, o acontecimento desses casos leva a situações em que a apólice garante o pagamento da indenização.

Como funciona

Primeiramente, é preciso entrar em contato com a segurado. Posteriormente, é preciso formalizar a comunicação através de um formulário e apresentar algumas cópias de documentos do segurado.

  • Cópia autenticada da certidão de óbito (se for o caso);
  • Boletim de ocorrência (se for aplicável);
  • RG;
  • CPF;
  • Certidão de casamento (se for casado).

A princípio, pode haver diferenças no seguro de vida coletivo, por isso, é necessário saber das especificidades de cada empresa.

O que é apólice?

É um contrato entre duas partes que define a responsabilidade de cada um, sendo o que garante o benefício do segurado e a quantia previamente estabelecida a ser recebida pela seguradora pelo serviço prestado.

Assim sendo, há as modalidades individual bem como coletiva, ou empresarial. Mas, a primeira é a mais indicada, pois é a mais específica de acordo com a necessidade e perfil da pessoa.

Por fim, a segunda considera o grupo de pessoas na totalidade.

Principais elementos

Na apólice são consideradas dois principais elementos, sendo eles:

Risco

Aliado ao interesse pelo segurado, aqui é o fator que diz à seguradora todo e qualquer evento negativo que pode ocorrer, sendo morte ou invalidez. 

Prêmio

É a mensalidade a ser paga calculada com base que o risco coberto pelo contato se realize.  São considerados para o cálculo do preço de seguro de vida: idade, sexo, estado civil, profissão, condição de saúde e hábitos o indivíduo.

O valor da apólice deve ser o equivalente à renda anual bruta vezes o número de anos em que o segurado quer que a sua família esteja protegida.

A emissão da apólice pode ser fita em até 15 dias após a contratação, porém, nesse tempo o contratante ainda não está coberto pelo seguro.

Nesse mesmo intervalo, a seguradora irá avaliar o resultado da análise de risco, podendo recusar o pedido do cliente, caso seja necessário.

O que são as exclusões?

O que são as exclusões

São as cláusulas em que a seguradora não tem responsabilidade do pagamento do prêmio contratado. As mais comuns são:

  • Suicídio (dentro do prazo de carência de dois anos);
  • Doenças preexistentes, cujos termos não tenham sido informados na declaração de saúde;
  • Utilização de material nuclear, acidentes nucleares e semelhantes;
  • Envolvimento em operações de guerra, rebelião e tumultos;
  • Prática de atos ilícitos dolosos que tenham resultado em morte, como o consumo de drogas.

Quais são as coberturas?

Também chamadas de garantias, são os casos em que o segurado e seus beneficiários estarão protegidos. Veja-os abaixo:

  • Morte (acidental ou por qualquer coisa);
  • Pensão por morte;
  • Auxílio ou assistência-funeral (SAF);
  • Renda por invalidez;
  • Invalidez permanente total ou parcial por acidente (IPA);
  • Despesas médicas, hospitalares e odontológicas (DMHO);
  • Diárias por incapacidade temporária (DIT).

Não abrange doenças mentais, procedimentos estéticos ou procedimentos para doenças, ou acidentes preexistentes não mencionados na declaração de saúde. 

  • Invalidez permanente por acidente majorada (IPAM);
  • Doenças graves (DG).

O seguro tem cobertura para 28 doenças e procedimentos:

1 – Câncer*

2 – Alzheimer*

3 – AVC*

4 – Infarto agudo do miocárdio*

5 – Insuficiência renal crônica*

6 – Parkinson*

7 – Paralisia de membros

8 – Perda de fala

9 – Perda de visão

10 – Perda de audição

11 – Coma por traumatismo craniano

12 – Danos cerebrais anatômicos

13 – Doenças hepáticas graves

14 – Pancreatite crônica

15 – Esclerose múltipla

16 – Doença do neurônio motor

17 – Osteomielite

18 – Queimaduras de 3º grau

19 – Anemia aplástica

20 – Doenças pulmonares obstrutivas crônica

21 – Transplantes: coração, pulmão, rins, fígado, medula, pâncreas, intestino delgado e tecido composto.

*Doenças com cobertura até 80 anos

Qual a diferença de Seguro de vida e Seguro de acidentes pessoais?

Visto que, são termos parecidos, podem ser confundidos. Contanto, entre eles, há diferenças.

 

CondiçãoSeguro de vidaSeguro de acidentes
FalecimentoOs beneficiários sempre irão receber a apólice, independente do motivo de óbito.Os beneficiários só irão receber a apólice, em caso de mortes acidentais. 

Causas naturais não dão direito ao recebimento de indenização.

ValoresA apólice aumenta de acordo proporcionalmente à idade do beneficiário. 

Limite de idade do contratante: 64 anos

Mais barato devido a menor cobertura.

Limite de idade do contratante: 70 anos

Indenização 

(Em casos de acidentes e invalidez em que não houver morte)

O valor da apólice é liberado para que você tenha oportunidade de bancar tratamentos. Assim, você tem a liberdade de usar a quantia da maneira que lhe convir. A seguradora cobrirá o tratamento médico, incluindo as diárias no hospital, entretanto, você não tem a liberdade de usar o valor para outros fins.

O que é Seguro de vida resgatável?

O que é Seguro de vida resgatável

É aquele em que o titular pode recuperar parte de seu dinheiro. Visto que, quanto maior for o tempo que a pessoa contratou o serviço, maior o valor percentual que será restituído.

Entretanto, para isso acontecer, há uma carência de 24 meses a ser cumprida. 

Portanto, um seguro resgatável é recomendável, por exemplo, para alguém jovem que não exatamente pensa em sua morte, mas que quer tomar cuidado ao acumular seu patrimônio.

Certamente, uma das principais particularidades do seguro de vida resgatável é a manutenção do prêmio, mesmo com o aumento da idade.

O investimento inicial é mais caro, mas lembrando que esse é um risco que a seguradora está assumindo, enquanto a outra parte representará as reservas que serão retiradas no futuro. 

Essas podendo ser parcial ou integralmente resgatadas após o período de carência, sem que haja um evento indenizável.

Ao mesmo tempo que, é uma forma importante para garantir compromissos financeiros, pensando a longo prazo. 

Uma vez que, já que ele não sofre reajustes em função da idade e, assim como nos outros seguros de vida, é isento de qualquer imposto.

Conclusão

O seguro de vida é algo a ser considerado por trazer benefícios em vida e em morte.  

Não apenas para você como também para você e seus dependentes.

Dessa maneira, é uma forma de investir seu dinheiro de forma inteligente que trará um retorno positivo.

Se quer saber mais motivos para aderir a um seguro de vida? Confira nosso conteúdo aqui.

 

 Co-autoria: Karol Barbosa